30 maio 2016

[Resenha] A Procura de Vida Inteligente - Por Victor Allenspch

Título: A Procura de Vida Inteligente
Autor (a): Victor Allenspch
Páginas:196
Cortesia: Autor
Skoob || Encontre
4 ESTRELAS
Sinopse: Sem motivo, explicação ou bom senso do criador, uma mensagem surge diante de todos os seres do universo. O fim dos tempos é anunciado, e não há nada que possa ser feito para impedi-lo. Porém, de uma estranha forma, tudo está ligado a Boris.
Boris não nasceu. Também não foi criado ou educado. Como tantos outros, ele apenas foi produzido e programado. Nada que o incomode em particular, mas está sempre diante do risco da reciclagem. Um risco comum em uma realidade onde a mais antiquada cafeteira é capaz de calcular as interações gravitacionais de um fóton atravessando o Sistema Solar.
De figurante a protagonista, séculos se passam à espera de uma oportunidade. Na busca por liberdade, Boris sequer imagina que já a alcançou a muito tempo, mas optou por uma existência cheia de limites e algum significado.
A Procura da Vida Inteligente trás uma coletânea de contos que juntos formam uma estória maior onde falam de um mundo com robôs e altas tecnologias que se tornaram essenciais para a vida dos humanos.


O autor tem uma escrita bem fluída onde me senti preza desde o início da estória. Somente nas primeiras páginas que me senti um pouco perdida sobre quem é o personagem principal. Fiquei olhando a sinopse e o resumo da estória várias vezes pois ali cita Boris e somente pude perceber que ele era o principal e sua importância conforme ia lendo.

O autor se auto-proclama fã do autor Douglas Adams. Li somente o primeiro livro da série Guia dos Mochileiros das Galáxias e pude perceber um pouco dessa influencia na forma de trazer humor e assuntos sérios na mesma medida.


Boris é um androide muito peculiar. Adorei ele logo desde o começo quando ele tem uma conversa com outro androide onde o mesmo lhe questiona sobre a variedade de nomes existente e o ele diz que gosta simplesmente de Boris. Ele tem sentimentos e faz muitos questionamentos sobre a vida inteligente e a semelhança entre os humanos.


Algo que achei super legal foi o cuidado que o autor teve em contar as estórias de uma forma que as pessoas que não entendem sobre ficção científica não se sintam confusas. Em nenhum momento me senti perdida, muito pelo contrário, me senti maravilhada com todos os mundos que ele criou e a facilidade que ele tem em manejá-los.


Pra vocês entenderem um pouco melhor desse cuido, logo no primeiro conto nos é trazido uma explicação geral sobre a vida inteligente e a importância sobre ser um explorador e encontrar vida em outros planetas.

Todos os contos são ligados pelo personagem Boris e cada um se torna único e quando chega ao fim senti aquele gostinho de quero mais. O conto que mais gostei foi o primeiro "Mula Desobediente". Achei genial a explicação sobre as promessas de milênio e a daquele milênio ser encontrar alguém.


Todo o desenvolvimento do livro foi fruto do trabalho do autor onde a concepção foi independente. Ele trás letras numa ótima proporção de leitura e ainda em folhas recicláveis. Achei a capa bem criativa e trás bastante sobre a estória e sua essência.  É perceptível que tudo foi feito com muito carinho e cuidado.


Como vocês podem ver adorei cada aspecto do livro. Victor construiu um livro digno de ser lido por todos. Se aqueles que diziam que não tem um livro bom de ficção cientifica publicado por um autor brasileiro, ai está a resposta aos criteriosos. O livro foi uma grata surpresa que trouxe horas divertidas de leitura e até mesmo alguns questionamentos. Não tem como não recomendar uma obra tão primorosa que tenho plena certeza que agradará a fãs do gênero e até mesmo aqueles que não gostam podem se encantar.



Um pouco mais sobre o autor Victor Allenspsh

Victor Allenspach teve blog, escreveu fanfics e trabalhou em mais profissões do que faria sentido citar aqui. Com formação em História Econômica, já quis ser professor, diplomata e piloto da Força Aérea. No entanto, a rebeldia sem causa de um pastafariano anarquista não permitiu que a maioria delas fosse possível, ou uma boa ideia.
Em comum ao longo de tantos anos de indecisões, escreveu. Autor de dezenas de livros impublicáveis e centenas de crônicas de passar vergonha, se descobriu na ficção científica. Um gênero impopular no Brasil, mas responsável por anos de fascinação do autor, debruçado em textos de Arthur Clarke à filmes de George Lucas.
Com tanta “experiência” no gênero, foi natural encontrar temas e construir personagens que dariam origem a seu primeiro livro, A Procura de Vida Inteligente. Um livro nonsense, que discute a realidade e brinca com a existência como Douglas Adams ensinou a fazer. Porém, sem deixar de lado a crítica e o debate sobre a sociedade atual, suavemente distribuídos em sátiras ácidas ou piadas infames.
A autopublicação é uma ferramenta fantástica para autores de nichos como a ficção científica, que raramente caem no gosto das editoras nacionais. Através dela, Victor espera levar o gênero para além das prateleiras escondidas das livrarias, e com a sua linguagem descontraída, alcançar públicos que não estão familiarizados com o gênero.
Tudo isso, é claro, antes que o sistema seja desligado.

18 comentários:

  1. Olá!
    Confesso que não curto muito livros desse gênero, mas sabe que achei a premissa desse interessante?!
    Talvez eu dê uma chance para a leitura. E sem dúvidas vou indicá-lo para meu namorado, certeza que ele vai gostar!
    Ótima resenha!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Oi stefani, eu não conhecia esse livro, e confesso que pela capa ele não chama a minha atenção. Bom, não sou muito acostumada a ler contos, até leio, mas são bem poucos então não tenho certeza se gostaria de ler esse, pelo menos não nesse momento. De qualquer maneira, desejo muito sucesso ao autor em sua trajetória como escritor.
    Boas leituras ;D
    Beijos, Fer

    ResponderExcluir
  3. Oi Stefani, tudo bem?
    Eu não conhecia nem o livro e nem o autor ainda!
    Apesar de sua resenha estar muito boa, ficção científica não é um gênero que me atrai muito.
    Li um livro do Douglas Adams e me traumatizei com esse gênero, apesar de saber que muita gente ama os livros dele, comigo não funcionaram.
    O fato de o autor ter se inspirado um pouco nos estilo do Douglas me desanima ainda mais em conhecer esse livro, mas para quem curte o gênero essa é sem dúvidas uma ótima dica de leitura.

    Beijos :*
    http://www.livrosesonhos.com/

    ResponderExcluir
  4. OI Stefani, ainda não tinha ouvido falar do livro e nem do autor, mas curti o enredo e a diagramação também está interessante. Faz tempo que li um livro de ficção científica e me deu curiosidade de ler esse.
    Espero poder conferir em breve.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olá Stefani.
    Eu não sou muito de ler ficção científica, mas as vezes é bom a agente sair da nossa zona conforto. A sua explicação sobre a história me deixou intrigada em conhecer sobre os robôs e a vida inteligente. Isso é uma coisa que mais cedo ou mais tarde vai acontecer pois a tecnologia tem evoluído muito.
    Adorei a sua resenha, as fotos do livro ficaram lindas e se tiver uma oportunidade quero ler.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  6. Olá Stéfani,
    Até curto ler Ficção Científica, em alguns momentos, mas não me senti impelida a ler esse livro. É notável a quantidade de elogios que ele recebeu, mas não me cativou.
    Achei legal você ter visto referências de uma obra de um autor que o Vitor gosta, isso é fascinante.
    Parabéns pela resenha!
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  7. Oiee ^^
    Não gosto muito de ficção científica, então o livro não me chamou muito a atenção de primeira. Mas saber que o autor caprichou tanto na narração (com humor e de forma que até leigos no assunto possam entender) e que o livro te deixou maravilhada me animou para lê-lo. Dica anotada ;)
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Oi!
    Inicialmente eu não tinha gostado do livro, pois esse gênero não é dos meus favoritos, e eu me sentiria completamente perdida em uma história de robôs sendo que nunca li nada do tipo.
    Mas, lendo sua resenha acabei percebendo que a história é bem bacana, e que vale a pena dar uma chance ao autor principalmente por ele ser fã do Douglas, imagino que tenha muito do autor em sua obra, e também por ele conseguir fazer uma história leve e bem explicativa, ensinando até mesmo os que não curtem o gênero.
    Dica anotada

    ResponderExcluir
  9. Oiii!!!

    Como não amar essa resenha??? Muito bem escrita e extremamente apaixonante! Adorei!
    Não conhecia essa obra, e mesmo não sendo uma obra que eu goste ou me sinta atraída, fiquei animada com a leitura. O autor fez um ótimo trabalho.
    Dica anotada
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  10. Oie! Eu adoro livros de ficção científica é faz tempo que não leio nada do gênero. Ler sua resenha me animou a ler esse livro é diversificar um pouco das coisas que tenho lido ultimamente. Saber também que são contos me agradou bastante.
    BJ

    ResponderExcluir
  11. Oi Stéfani, tudo bem?
    Pelo que me lembre, nunca li algum livro que tinha como protagonista um androide. Também não estou acostumada a ler ficção científica e acredito que esse livro é um ótimo começo para eu ter algum conhecimento do gênero, já que o autor escreve de maneira que os leitores que não estão acostumados com esse tipo de leitura possam ter uma melhor compreensão. Boris parece ser um personagem cativante e já estou ansiosa para conhecê-lo.

    Beijos! ♥

    ResponderExcluir
  12. Eu ti rindo aqui, pq o Boris é tipo o pequeno príncipe robô. Haha. Vários contos ao redor dele. Eu gostaria de ler esse livro, mesmo, vou tacar no skoob. Beeeeijos

    ResponderExcluir
  13. Mesmo que sejam contos que acabam formando uma história maior, não me interessei pela leitura. Esse tema de robôs e altas tecnologias é algo complicado para mim, não consigo me identificar. Não curti muito a capa, mas gostei de ver o cuidado que o autor teve com o livro por dentro, não é sempre que vemos uma publicação independente de tão alta qualidade, palmas pra ele. Que bom que gostou e que não se sentiu perdida ou confusa em nenhum momento.

    Beijo.

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  14. Olá,

    Não leio muito o gênero de ficção cientifica e no início da resenha achei que não daria chances ao livro por não fazer meu tipo e não entender sobre o assunto, mas como você citou que o autor deixa o leitor bem situado até pra quem não conhece muito o tema, fiquei curiosa para ler. Sem dúvidas deve ser uma história interessante!
    Beijos.
    http://www.virandoamor.com/

    ResponderExcluir
  15. Oi!
    Eu ainda não conhecia o livro, mas você falou tão bem da história que me deixou curiosa! Não sei se leria agora, ultimamente tenho preferido romances a ficção científica, mas vou deixar a dica anotada, até porque gostei de O guia do mochileiro das galáxias.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. Oi!
    Bom saber que a leitura é fluida. Eu raramente leio antologias e você citou como referência do autor o Douglas Adams, mas eu infelizmente não gostei de sua obra supracitada. No momento a temática da obra não me interessou.
    Abraços,
    Andy - StarBooks

    ResponderExcluir
  17. Oi, tudo bem?
    Eu não conhecia esse livro e confesso que de inicio não estava muito animada, mas fui lendo a resenha e sendo cativada. Nunca li nada sobre robôs, mas gosto do assunto e é bom saber que o autor se preocupo na forma de falar sobre esse universo e narrou de uma forma de fácil compreensão. Enfim, acredito que eu ia gostar bastante da historia, então vou marcar a dica.

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  18. Oi Stefani, sabe que eu não sou muito chegada em ficção científica, mas eu amo contos. Então eu não sei se leria o livro, não no momento pelo menos. Mas mais para frente quero dar uma chance e quem sabe eu mudo de opinião e venho a gostar do gênero, né?

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir