09 novembro 2016

[Resenha] Jovens de elite - Por Marie Lu



Título: Jovens de elite
[Jovens de elite #1]
Autor (a): Marie Lu
Páginas: 304
Editora: Rocco
Skoob || Encontre

Sinopse: Uma febre misteriosa deixou sequelas permanentes em toda uma população de jovens. Chamados de malfettos, alguns deles desenvolvem poderes especiais - controlam vento, fogo e até humanos - e se unem em sociedades secretas. Para alguns, esses Jovens de Elite são heróis que salvam inocentes em situações desesperadoras. Para a Inquisição, os sobre-viventes da praga são monstros marcados com poderes demoníacos e devem ser levados à justiça. Para Adelina, expulsa de casa após a doença, significa finalmente ter encontrado seu lugar no mundo. Mas ela logo percebe que não é uma heroína, que seus poderes são alimentados por medo e ódio e podem acabar trazendo uma era de pânico a esse mundo onde política e magia se chocam de maneiras surpreendentes... e aterrorizantes.


"O cabelo de uma menina passou de dourado a preto da noite para o dia. Um garoto de seis anos tem cicatrizes no rosto sem nunca ter sido ferido. Os outros médicos estão bastante amedrontados."

Há uma década, uma febre atingiu o mundo e matou muitos adultos infectados, deixou as crianças com marcas - como manchas, cores de cabelo diferentes e mudança na cor dos olhos- que são consideradas aberrações por onde passam. E existem os Jovens de elite, sobreviventes que possuem habilidades que podem variar, e alguns chegam a acreditar até que são filhos dos deuses que conseguem, se preciso, trazer um morto de volta ao mundo. Os inquisidores são parte do governo, e, não estão gostando da situação, a população está com medo do que esses jovens podem fazer, mas é como sempre dizem: todos possuem um segredo.

"Alguns nos odeiam, pensam que somos fora da lei
 a serem pendurados na forca.
Alguns nos temem, pensam que somos demônios
 a serem queimados na fogueira.
Alguns nos adoram, pensam que somos filhos dos deuses.
Mas todos nos conhecem.
-Fonte desconhecida sobre os Jovens de elite"





Estou fazendo essa resenha bem ''crua'' pois acabei de ler o livro e precisava falar sobre ele, isso porque diversas vezes parei a leitura para refletir como iria resenhar esse livro tão fantástico que foi uma leitura tão diferente e fora do que estou acostumada. Jovens de elite é uma obra que ira te fisgar com uma facilidade indescritível.

Quando Adelina tinha 4 anos, a febre do sangue estava assombrando todos de Kenettra, sua mãe foi infectada, e assim como os outros adultos, faleceu. A personagem ficou marcada, tendo que extrair o olho esquerdo. Vivia com seu pai e sua irmã, e sempre se sentiu a ovelha negra da família, o pai dizia que ela era inútil por não manifestar poderes de Jovens de elite e por com certeza nunca conseguir encontrar alguém que queira se casar com uma malfetto. Sua irmã, Violetta, é comportada e misteriosamente o pai nunca a tratou como trata Adelina.

Tudo muda quando a personagem escuta o pai negociando ela com um comprador, mesmo ela não tendo a idade permitida para ser vendida. Furiosa, ela foge de casa, em busca de independência, mas o pai a encontra, e Adelina sente algo novo, sua mente se esvazia e formas negras surgem do solo, matando-o. Depois simplesmente desaparecem e a menina fica como culpada pelo assassinato.

Ela está presa em uma cela da Inquisição, prestes a ser queimada em praça pública, para o governo se gabar de estar matando um assassino e possível Jovem de elite, uma ameaça. Mas no momento Adelina é salva pelos membros da Sociedade dos Punhais, cujo objetivo é procurar e ajudar outros Jovens de elite. Agora, morando em Estenzia, começa a ser treinada para fazer parte desse grupo de infectados que só querem viver em paz, mesmo que o governo não os aceitem.

"Que seja do conhecimento de todos, para que os deuses me ajudem.
Não sou um traidor. Não sou um espião
-Inscrição em pedra na parede de uma cela de prisão de Estenzia, feita por um prisioneiro desconhecido."

Também conhecemos Enzo, que faz parte da Sociedade dos Punhais, e Teren, líder da Inquisição, quer encontrar todos os Jovens de elite e infectados para destruí-los, achando que são filhos do demônio, seu maior desejo é encontrar Adelina e descobrir seus poderes, que nunca foram vistos antes.

O que vocês precisam entender é que Marie Lu não conta a estória da mocinha que está sofrendo, e sim da vilã que de tanto sofrer e carregar traumas aprendeu a machucar. Os personagens são frios e não demonstram emoções. A autora se arriscou, o que fez com que muitos ficassem surpreendidos, e só fez com que eu tivesse certeza de seu talento.

Marie Lu não tem dó nem piedade ao matar um personagem, faze-lo sofrer ou se tornar o vingativo da estória, o que alguns autores tem medo de fazer. Teve uma cena que eu pensei que iria chorar, mas nenhuma lagrima escorreu, sabe quando você lê um livro e ele te insere até nos pensamentos do personagem que nem ele mesmo assume? então, enquanto lia o livro não conseguia chorar ou demonstrar alguns sentimentos, sangue estava jorrando e eu apenas fiquei paralisada pensando na coragem da autora em fazer o leitor passar por isso, e foi nesse momento que percebi que estava imersa de corpo e alma em Jovens de elite, sendo igual aos personagens: firmes e fortes perante os acontecimentos.

"Sou o líder da Sociedade dos Punhais, um grupo de Jovens de Elite que busca outros como nós antes que a inquisição os encontre. Mas não somos os únicos Jovens de Elite."

O universo foi muito bem criado e pensado. A sociedade se divide quanto aos Jovens de elite, uns os tratam como uma aberração e querem que sejam queimados na fogueira, outros os apoiam e acham que são assim por um sinal dos deuses. É bacana acompanhar os eventos que acontecem na cidade em que se passa o livro,  e alguns capítulos contam com um texto antes dele que vai mostrar ao leitor mais sobre essa febre e sobre o universo que o livro se passa.

Uma fantasia onde o bem e o mal se confundem. O leitor consegue ficar irritado com os Inquisidores e sua visão dos personagens. Algo bem real que foi mostrado é o jogo político, muitos querem o poder de qualquer forma, durante o livro são notáveis que até os que ''lutam pelo bem'' tem estratégias para assumir cargos superiores aos que estão.

Algo que me surpreendeu foi o fato da autora conseguir entrelaçar os fatos, de uma maneira que no final tudo que foi dito faz sentido. A escrita é fluida, não é muito expressiva graças aos personagens não demonstrarem algo, mas consegue prender e conquistar o leitor.

Cada personagem tem seu objetivo, seu passado e seus dons. Adelina guarda traumas graças a seu pai, que abusou dela quando era menor e a tratava de maneira humilhante, também conseguimos ver a saudade que ela sente da irmã. Os personagens querem seguir seu rumo, não deixando ninguém entrar em seu caminho, são um tanto egoístas nesse quesito, não sabendo se devem ceder a vontade, a suas origens ou a necessidade.

''Fui eu quem criou todo esse caos.''

Gostei da edição. Não encontrei erros de revisão. A diagramação da Rocco me agradou, com um espaçamento bom e que favorece a leitura. Na capa, o título tem a fonte em alto relevo. A imagem pessoalmente tem um efeito lindo. Diferente de alguns leitores achei que o título ''Jovens de elite'' soou bem.

Ainda não sei como falar desse livro, super indico. A autora tem um talento compreendível, estou aguardando ansiosamente a chance de ter o Sociedade da Rosa - continuação- em mãos, e com certeza venho resenhar para vocês.

''É minha vez de usar.
 Minha vez de ferir. ''

16 comentários:

  1. Olá
    Eu já conheço a escrita da Marie Lu e imagino que seja uma ótima leitura, especialmente para quem curte o gênero da fantasia, o que é o meu caso, é claro. Tenho medo sobre essa questão dela não ter dó de matar personagens, porque né, me apego muito fácil a eles, por isso meu receio. Independente disso, esse é um título que pretento ler o quanto antes, ainda mais depois de ler seus comentários tão motivadores!
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  2. Parece ser um livro muito interessante, uma história diferente. Amo livros assim, me lembra o livro Starters, de uma maneira bem diferente é claro. Eu não conhecia a história, mas estou muito interessada e já vai para lista de desejados!
    Fora que essa capa é muito bonita, apesar de não gostar muito do trabalho de designer da Rocco.
    Beijos,
    Nay

    http://travelingbetweenpages.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oiii, maria. Tudo bem?
    Eu tenho muita vontade de ler esse livro e faz um bom tempo. Mas ainda não consegui :( Mas pretendo. E sua resenha me deixou ainda mais curiosa =D Sei bem o que é isso. Terminar um livro e querer correr fazer resenha hahahah. Ainda bem que a gente tem a blogsfera para falar dos livros né? Porque às vezes vida de leitor se torna solitária :( Mas quando podemos dividir com outros leitores, é muito mais legal =D
    Beijooos
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Eu AMOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO quando leio uma resenha assim, fresquinha, feita no momento da emoção, com o enredo gritando dentro da cabeça do blogueiro, porque embora algumas reflexões sejam feitas depois, eu acho este o momento certo para compartilhar com outras pessoas a impressão que se teve do livro. Quero ler o livro, e quero ler por causa da forma como você o indicou!!!
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Uau... Que enredo! Mas, admito que não me senti atraída ao ponto de querer lê-lo. Amo enredos incomuns e até sombrios além da conta, mas personagens como esses de "é minha vez de ferir", uhm, não é meu estilo. Mas admito que o enredo é impressionante e que sua resenha está incrível. Porém, não me atraí tanto assim. Embora ame os livros da Rocco.

    ResponderExcluir
  6. Fico muito feliz que você achou o livro surpreendente, não sei se estou ficando chata, mas acho que estou carecendo de livros assim, pois simplesmente não acho nenhum livro tão bom quanto antes. Acho que estou procurando nos lugares errados quando eu vejo resenhas como a sua e com um livro que não costumo ler. Quem sabe não dou uma chance a ele? Beijos

    ResponderExcluir
  7. Eu não havia me interessado muito pelo livro quando li a sinopse, assim que foi lançado. MAs agora que li a sua resenha, eu até que fiquei curiosa e me despertou um interesse, trama me pareceu ser bem desenvolvida e gostei de algumas características.

    ResponderExcluir
  8. Olá...
    Apesar de pertencer á um gênero que não me atrai muito, fiquei interessada em ler, pois, sua resenha está tão apaixonada pela obra que decidi botar nos desejados. Gostei de saber que a autora entrelaçou muito bem os fatos a ponto de ter um final bem amarrado.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Sua resenha ficou maravilhosa! Eu quero muito ler essa série, pois adoro a escrita da autora. Realmente ela não tem medo de fazer o leitor sofrer, rsrs. Eu gosto bastante de histórias do tipo, ainda mais quando tem um diferencial, o que essa parece ter bastante.
    Espero gostar da leitura também! E que bom que a editora já lançou o segundo volume, né? Aguardo resenha! :D
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  11. Oi, tudo bem? Nunca tinha ouvido falar desse livro antes e pelo que notei da sua resenha estou perdendo uma grande história. Adoro esses cenários meio distópicos. Achei a capa bem bonita também é já quero ler esse livro para ontem.
    Bjs

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    A melhor coisa é quando você termina de ler e já precisa falar sobre o livro. Tenho a trilogia legend da autora na estante, mas ainda não me animei pra ler. Adorei a premissa, o mundo e a trama parecem bem construídos, e gostei do fato dos protagonistas não serem os "bonzinhos". Leria com certeza, beijos

    Luana

    ResponderExcluir
  13. Que sensacional que a história é sobre uma anti-heroína! Eu quero muito ler algo da autora desde Legend, mas nunca consigo pegar promoções dele.
    Eu acho que morreria de raiva desse pai dela, viu? E acho que Adelina vai entrar para o meu hall de personagens femininas preferidas.

    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Olá Maria Fernanda,
    Ainda não conhecia esse livro, mas achei bem interessante, apesar de não ter conseguido compreender, ao certo, como funciona a sociedade. Fiquei bem chocada por saber que o pai de Adelina abusava dela e acho que vou sentir muita dor nesse quesito ao ler o livro. Muito legal a ambientação ter sido bem construída e, claro, dica anotada.
    Acredito que as chances de gostar desse livro são grandes.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  15. Oi, tudo bem? Eu não conhecia o livro ainda, mas pelo que li da sua resenha, parece ser bem interessante, o típico livro que te prende do início ao fim. Confesso que fiquei bastante curiosa para conhecer mais sobre a personagem Adelina e gostei do fato de a autora não fazer aquela narração cansativa sobre uma mocinha sofredora e sim sobre alguém que dá a volta por cima e com isso atingindo a superação. Parabéns pela resenha. Gosto de ler resenhas assim, escritas no calor da emoção do livro, logo após terminar a estória.
    beijos!

    ResponderExcluir
  16. Oi, tudo bem?
    Eu não conhecia o livro e para ser sincera fantasias dificilmente chamam minha atenção, mas esse livro me cativou. Gostei bastante da proposta dele e dos personagens, então acredito que eu daria sim uma chance a ele. Ótima resenha!

    Beijos

    ResponderExcluir