30 dezembro 2016

[Fale♥] Retrospectiva literária de 2016 | Tamara



Mais um ano findando, e um novo a caminho, e como sempre, as leituras continuam a todo vapor. Há mais ou menos quatro anos eu costumo anotar tudo o que vou lendo, e em 2016 não foi diferente, o que, me possibilitou fazer uma grande retrospectiva e lembrar daqueles dos quais gostei, e daqueles que não me agradaram muito.

Além disso, durante essa retrospectiva de todos os títulos que li, fiquei extremamente feliz por ter conseguido concluir um projeto que impus a mim mesma no início do ano, e que, sendo sincera, eu acreditava que largaria no meio do caminho, pois não sou boa em impor metas literárias, mas consegui.

O projeto foi o seguinte: como eu sempre tive muitos livros clássicos na lista de leituras, mas sempre adiava as leituras, por serem livros mais densos, na maioria das vezes, resolvi em 2016 ler um desses livros clássicos por mês, o que ao final do ano, totalizariam 12 livros clássicos lidos. Durante esse projeto, conheci muitas coisas bacanas e que entraram para a minha lista de favoritos. Outros, achei maçantes e cansativos, mas gostei de conhecê-los pois eram livros de grande fama. Esclarecido o tema do meu projeto, deixo a baixo a listinha dos doze livros que li, com pequenas impressões sobre cada um. Também, ao final desse post, deixarei a lista de tudo que li em 2016, no entanto, não acrescentei nenhuma imagem de capa por terem sido muitos, 150, e isso ficaria inviável.
Vamos aos livros, então!




Clássico de janeiro: Alice no país das Maravilhas - Lewis Carroll

Obra-prima criada pelo escritor inglês Lewis Carroll, no século XIX, Alice no País das Maravilhas imortalizou-se na literatura mundial como uma fábula capaz de encantar adultos e crianças. Uma ficção sem igual que se tornou sucesso há mais de cem anos e ainda hoje é um clássico obrigatório para leitores de todas as idades.
O livro conta a história de uma menina curiosa que decide seguir um coelho branco, quando de repente cai em sua toca e é levada a um reino onírico, onde convive com criaturas estranhas e se envolve nas mais inusitadas aventuras. Neste universo inesperado, não há limites entre sonho e realidade.
Mais do que uma obra ficcional-juvenil, Alice no País das Maravilhas é uma alucinante viagem por um mundo nada óbvio em que imaginação, desafios de lógica, jogos de palavras e situações nonsense combinam-se de maneira única e inesquecível.

Sinceramente achei esse livro um pouco entediante. Sei que ele é uma história infantil e traz todo um mundo fantástico, mas não funcionou muito para o meu momento essa leitura. Achei muita fantasia reunida em um só lugar, e confesso que não consigo lembrar da maior parte da obra, de tanto que a achei confusa. Creio que se tivesse lido há muitos anos, quando criança, poderia ter gostado mais, mas achei muito interessante tê-la conhecido pois é uma obra de grande fama e bastante amada pela maioria dos leitores.






Clássico de fevereiro: O sol é para todos - Harper Lee

Um livro emblemático sobre racismo e injustiça: a história de um advogado que defende um homem negro acusado de estuprar uma mulher branca nos Estados Unidos dos anos 1930 e enfrenta represálias da comunidade racista. O livro é narrado pela sensível Scout, filha do advogado. Uma história atemporal sobre tolerância, perda da inocência e conceito de justiça.
O sol é para todos, com seu texto “forte, melodramático, sutil, cômico” (The New Yorker) se tornou um clássico para todas as idades e gerações.


Esse foi um dos livros mais apaixonantes que conheci durante meu projeto. Trazendo o tema do racismo em pleno início do século XX nos Estados Unidos, o livro tem uma narradora bastante nova, o que deixa o livro com um belo tom de inocência. Também traz uma diversidade de lições sobre as diferenças raciais e o preconceito, e é um grande ensinamento para todos que o lerem. É uma obra que eu recomendaria para todas as idades.






Clássico de março: Ciranda de pedra - Lygia Fagundes Telles

Quando um casal de classe média se separa, a caçula, Virgínia, é a única das três filhas que vai morar com a mãe. É do ponto de vista dessa menina deslocada e solitária que se narram os dramas ocultos sob a superfície polida da família. Loucura, traição e morte são as forças perversas que animam esse singular romance de formação, que já na época de seu lançamento, em 1954, chamou a atenção para o talento e a originalidade da literatura de Lygia Fagundes Telles. Saudado com entusiasmo por intelectuais como Antonio Candido, Paulo Rónai, Otto Maria Car-peaux e Carlos Drummond de Andrade, "Ciranda de Pedra" mantém-se há meio século como um dos livros mais amados da autora.


Esse livro me despertava certa curiosidade principalmente por ter sido adaptado até para novela, e também era um bom início para conhecer a escrita de Lygia Fagundes Telles. E ao final, o achei um livro bacana, principalmente sua primeira parte, pois o livro é dividido em duas, porém, a segunda parte acabou sendo incômoda para mim e por vezes a achei exagerada, o que me fez terminar o livro o achando mediano, mas com certeza a partir dessa leitura pretendo ler muitas outras coisas dessa grande autora.







Clássico de abril: 1984 - George Orwell

Romance distópico clássico do autor britânico George Orwell. Terminado de escrever no ano de 1948 e publicado em 8 de Junho de 1949, retrata o cotidiano de um regime político totalitário de modelo comunista. No livro, Orwell mostra como uma sociedade oligárquica é capaz de reprimir qualquer um que se opuser a ela.
O romance tornou-se famoso por seu retrato da difusa fiscalização e controle de um regime coletivista-socialista na vida dos cidadãos, além da crescente invasão sobre os direitos do indivíduo. Desde sua publicação, muitos de seus termos e conceitos, como "Big Brother", "duplipensar" e "Novilíngua" entraram no vernáculo popular. O termo "Orwelliano" surgiu para se referir a qualquer reminiscência do regime ficcional do livro. O romance é geralmente considerado como a magnum opus de Orwell.
De facto, 1984 é uma metáfora sobre o poder e atuação dos regimes comunistas, Orwell o escreveu animado de um sentido de urgência, para avisar os seus contemporâneos e às gerações futuras do perigo que corriam, e lutou desesperadamente contra a morte - sofria de tuberculose - para poder acabá-lo. Ele foi um dos primeiros simpatizantes ocidentais da esquerda que percebeu para onde o estalinismo caminhava e é aí que ele vai buscar a inspiração: percebe-se facilmente que o Grande Irmão não é senão Stalin e que o arqui-inimigo Goldstein não é senão Trotsky.
Explicando que seu objetivo básico com a obra era imaginar as consequências de um governo stalinista dominante na sociedade britânica, Orwell disse: "1984 foi baseado principalmente no comunismo, porque essa é a forma dominante de totalitarismo. Eu tentei principalmente imaginar o que o comunismo seria se estivesse firmemente enraizado nos países que falam Inglês, como seria se ele não fosse uma mera extensão do Ministério das Relações Exteriores da Rússia."


Orwell foi muito feliz na escrita desse livro, pois inaugurou o gênero distopia muito antes de ele virar moda, e previu, como poderia ser o futuro. Particularmente o achei um livro com demasiadas descrições e por vezes foi cansativo, mas  também o achei genial por tudo o que apresentou e pela nova sociedade criada.







Clássico de maio: Capitães da Areia - Jorge Amado

Desde o seu lançamento, em 1937, Capitães da Areia causou escândalo: inúmeros exemplares do livro foram queimados em praça pública, por determinação do Estado Novo. Ao longo de sete décadas a narrativa não perdeu viço nem atualidade, pelo contrário: a vida urbana dos meninos pobres e infratores ganhou contornos trágicos e urgentes. Várias gerações de brasileiros sofreram o impacto e a sedução desses meninos que moram num trapiche abandonado no areal do cais de Salvador, vivendo à margem das convenções sociais. Verdadeiro romance de formação, o livro nos torna íntimos de suas pequenas criaturas, cada uma delas com suas carências e suas ambições: do líder Pedro Bala ao religioso Pirulito, do ressentido e cruel Sem-Pernas ao aprendiz de cafetão Gato, do sensato Professor ao rústico sertanejo Volta Seca. Com a força envolvente da sua prosa, Jorge Amado nos aproxima desses garotos e nos contagia com seu intenso desejo de liberdade.


Esse se tornou um dos meus livros favoritos da vida. A fascinação com a história daqueles meninos de rua foi tanta que tenho muita vontade de já reler o livro. Jorge, conseguiu retratar muito bem uma sociedade daqueles que ficam a margem da sociedade e que fazem de tudo para poderem sobreviver. É uma história antiga, mas poderia muito bem ser atual, pois existem muitas crianças ainda atualmente que vivem vidas como a daqueles garotos. Esse certamente foi para mim um livro inesquecível e o melhor que encontrei durante esse projeto.







Clássico de junho: A dama das camélias - Alexandre Dumas Filho

Armand Duval é um jovem estudante de Direito na Paris de meados do século XIX. Jovem recatado, vindo de uma respeitável família burguesa interiorana, apaixona-se por Marguerite Gautier, nada mais nada menos que a mais cobiçada cortesã dos salões e teatros parisienses. Marguerite - vendida, corrompida, perdulária, amante de vários homens - corresponde ao amor do jovem, que provoca uma reviravolta na vida da jovem prostituta. Mas o futuro dos dois amantes enfrenta os mais rígidos obstáculos. Escrito pelo francês Alexandre Dumas filho a partir da sua experiência autobiográfica com a cortesã Marie Duplessis, A dama das camélias é uma das mais célebres narrativas longas do século XIX - o próprio século de ouro do romance europeu.


Alexandre dumas filho era outro autor que eu sempre desejava conhecer, e foi uma boa leitura, apesar de que eu esperava mais do livro. O autor passa com maestria todas as impressões do cenário francês e permite que o leitor sinta todos os sentimentos dos personagens, além de que achei a protagonista tão polêmica quanto a famosa Capitu, de machado de assis, pois ela era uma cortesã e ao final do livro não sabemos se ela era apenas interesseira ou se realmente amava o jovem rico, este é um livro cheio de questões para pensar e discutir a respeito






Clássico de julho: A cor púrpura - Alice Walker

Vencedor do Prêmio Pulitzer em 1983 e inspiração para a obra-prima cinematográfica homônima dirigida por Steven Spielberg, o romance A cor púrpura retrata a dura vida de Celie, uma mulher negra no sul dos Estados Unidos da primeira metade do século XX. Pobre e praticamente analfabeta, Celie foi abusada, física e psicologicamente, desde a infância pelo padrasto e depois pelo marido. Um universo delicado, no entanto, é construído a partir das cartas que Celie escreve e das experiências de amizade e amor, sobretudo com a inesquecível Shug Avery. Apesar da dramaticidade de seu enredo, A cor púrpura se mostra muito atual e nos faz refletir sobre as relações de amor, ódio e poder, em uma sociedade ainda marcada pelas desigualdades de gêneros, etnias e classes sociais.


Esse foi um livro fascinante para mim e mais uma das obras que eu sonhava em ler. Muito bem escrito, em formato epistolar, o que sempre me cativa, e trazendo mais uma vez o preconceito com os negros que era tão intenso nos Estados Unidos no início do século XX, e ainda mais com uma mulher que era abusada pelo pai e pelo marido. Chorei, sorri e torci por essa mulher tão forte que foi Celly, a protagonista. Era um livro que apesar de querer ler eu tinha receio, pois a escrita da protagonista nas cartas possui erros ortográficos, devido a sua falta de estudos, e eu temia que isso me incomodasse, mas pelo contrário, isso deixou o livro ainda mais vívido.






Clássico de agosto: Senhora - José de Alencar

Aurélia Camargo, filha de uma pobre costureira e órfã de pai, apaixonou-se por Fernando Seixas – homem ambicioso - a quem namorou. Este, porém, desfez a relação, movido pela vontade de se casar com uma moça rica, Adelaide Amaral, e pelo dote ao qual teria direito de receber.
Passado algum tempo, Aurélia, já órfã de mãe também, recebe uma grande herança do avô e ascende socialmente.Passa, pois, a ser figura de destaque nos eventos da sociedade da época.
Dividida entre o amor e o orgulho ferido, ela encarrega seu tutor e tio, Lemos, de negociar seu casamento com Fernando por um dote de cem contos de réis. O acordo realizado inclui, como uma de suas cláusulas, o desconhecimento da identidade da noiva por parte do contratado até as vésperas do casamento.
Ao descobrir que sua noiva é Aurélia, Fernando se sente um felizardo, pois, na verdade, nunca deixara de amá-la. E abre seu coração para ela.
A jovem, porém, na noite de núpcias, deixa claro: "comprou-o" para representar o papel de marido que uma mulher na sua posição social deve ter. Dormiram em quartos separados. Aurélia não só não pretende entregar-se a ele, como aproveita as oportunidades que o cotidiano lhe oferece para criticá-lo com ironia. Durante meses, uma relação conjugal marcada pelas ofensas e o sarcasmo se desenvolve entre os dois.


Esse foi um livro que a princípio não me agradou, mas à medida que fui evoluindo me surpreendi com a trama e me vi torcendo pelos personagens e ansiando descobrir o que acontecia no final. É uma obra que deixa ver muito do Brasil antigo no Rio de Janeiro, e isso é fascinante, à medida que descobrimos costumes e a cultura da época, além de acompanharmos o bonito romance que se desenvolve e que é cheio de reviravoltas e tristezas.






Clássico de setembro: Reinações de narizinho - Monteiro Lobato

Não à toa Monteiro Lobato admitiu que, apesar do título dedicado a Narizinho, quem reinava mesmo nas histórias era Emília. Nem mesmo o autor mais respeitado de toda a literatura infantojuvenil brasileira conseguia dominar as peraltices da boneca de pano nas dezenas de aventuras povoadas da mais rica mitologia nacional.
Conhecido como a locomotiva do comboio da saga do Picapau Amarelo, Reinações de Narizinho reúne as onze histórias que Lobato começou escrevendo em 1920. Surgem ali Narizinho, Pedrinho, o Visconde, Rabicó, Tia Nastácia, e, claro, Emília, que comanda todas as travessuras em um misto de realidade e fantasia, trazendo à cena personagens clássicos da literatura infantil mundial, como Cinderela, Branca de Neve, o Gato Félix, todos ilustres convidados de cada uma das festas. Na nova edição, destacam-se a manutenção da sintaxe e do vocabulário do original de 1931, o que resultou em uma preciosa e necessária referência para os debates lobatianos dos tempos atuais.


Foi maravilhoso revisitar a infância por meio desse clássico tão cativante e instigante, principalmente para quem acompanhou na infância o sítio do picapau amarelo, transmitido na tv. Aqui, revisitamos as aventuras de Pedrinho, narizinho e emília, e embarcamos no mundo de fantasia das crianças, revisitando nosso próprio passado, e ao final, não sabemos o que é pura invenção ou o que aconteceu realmente, pois no mundo das crianças tudo é possível, além de podermos ver a infância em uma época em que ela não era cercada de tecnologias e sim de brinquedos simples e de brincadeiras ao ar livre.






Clássico de outubro: A volta do Parafuso - Henry James

Em uma mansão no interior da Inglaterra, uma governanta é encarregada de cuidar de duas crianças órfãs. Apesar de Miles e Flora se comportarem bem, serem inteligentes e afetuosos, há um desconforto crescente no ar, sobretudo depois que um misterioso e assustador estranho é visto nas redondezas, aparentemente procurando algo - ou alguém. A governanta terá então de lutar por seus pupilos, numa aterrorizante batalha contra o mal - uma batalha cujo desenlace será tanto mais terrível.


Achei esse livro com um enredo um pouco repetitivo, pois já havia lido outras obras bastante parecidas, mas ao mesmo tempo é um livro deveras interessante principalmente por trazer a cultura inglesa antiga, que tanto gosto de acompanhar, e também por trazer esse leve mistério, que confesso que não me assustou em nenhum momento. É uma ótima história para conhecer a escrita do autor e o gênero.






Clássico de novembro: A Escrava Isaura - Bernardo Guimarães

Romance que procura retratar a sociedade brasileira do século XIX tendo como pano de fundo a escravidão. O autor cria um romance nacional em que o amor é instrumento de denúncia da hipocrisia de seu tempo.


Adorei ter lido esse livro, principalmente por ele trazer uma época obscura do nosso país, a época da escravidão, e uma mulher que sofreu na pele o que muitas semelhantes a ela sofreram, o abuso dos patrões por acharem que elas eram suas propriedades. É um livro importantíssimo na nossa história, e que traz muitas reflexões, além de nos permitir conhecer muito sobre esse episódio tão marcante, e tem personagens cativantes e uma ambientação perfeita.







Clássico de dezembro: Um conto de natal – Charles Dickens

"Um Conto de Natal" do britânico Charles Dickens (1812-1870) é uma das histórias mais famosas da literatura ocidental. O enredo nos traz a figura de Ebenezer Scrooge, um avarento homem de negócios londrino, rabugento e solitário, que não demonstra um pingo de bons sentimentos e compaixão para com os outros. Scrooge não deixa que ninguém se aproxime e rompa a sua dura carapaça, preocupando-se apenas com os negócios, o dinheiro e os lucros. No anoitecer frio da véspera natalina, ele é visitado pelo fantasma de Jacob Marley (seu antigo sócio comercial, morto há sete anos) que o repreende e anuncia que Scrooge se prepare, pois será visitado por três espectros do seu próprio passado, presente e futuro... A história da redenção do velho Scrooge vêm comovendo adultos e crianças de todas as épocas.


Esse é um livro que li bem na véspera de natal, e fiquei apaixonada. Curto, mas cheio de lições, ele traz tudo aquilo que deve conter no significado do verdadeiro natal, e mesmo sendo tão antigo, Dickens já nos mostrava o que realmente devemos priorizar nessa época, acima de presentes e coisas supérfluas, a ajuda aos outros e a felicidade, foi um clássico maravilhoso para o fechamento do ano.





Abaixo, deixo a lista de todas as minhas leituras do ano, divididas pelos meses, foram no total 150 livros e 44077 páginas, segundo o skoob.

Janeiro

A Teoria de Tudo - Jane Hawking
A Desconhecida - Peter Swanson
#Falsiane - Lucy Sykes e Jo Piazza
As pequenas virtudes - Natalia Ginzburg
Pequenas grandes mentiras - Liane Moriarty
Giba neles! - Luiz Paulo Montes
O mundo que virá - Dara Horn
Um poema para Bárbara - Monica Sifuentes
P.S. Ainda amo você - Jenny Han
O Rouxinol - Kristin Hannah
Alice - Aventuras de Alice no País das Maravilhas e Através do Espelho e o que Alice encontrou por lá - Lewis Carroll

Fevereiro

O baile - Danielle Steel
Benefício na Morte - Robin Cook
Queria ver você feliz - Adriana Falcão
Diana - Sua verdadeira história - Andrew Morton
Felicidade conjugal - Tahar Ben Jelloun
Samantha Sweet, Executiva do Lar - Sophie Kinsella
A testemunha - Nora Roberts
A garota sem passado - Michael Kardos
Bateau Mouche Uma tragédia brasileira - Ivan Sant'anna
A escolha - Nicholas Sparks
Memórias de uma infâmia - Lydia Cacho
Jeito de matar lagartas - Antonio Carlos Viana
Crônicas da província do Brasil - Manuel Bandeira
O Sol é Para Todos - Harper Lee

Março

Chuva miúda - Flora Machman
Um presente da Tiffany - Melissa Hill
O fio do bisturi - Tess Gerritsen
A pousada 01. Um novo amanhã - Nora Roberts
Va, coloque um vigia - Harper Lee
A Fantástica Fábrica de Chocolate - Roald Dahl
Enquanto Bela dormia - Elizabeth Blackwell
Lições de literatura russa - Vladimir Nabokov
Chico Mendes - Crime e castigo - Zuenir Ventura
Meus documentos - Alejandro Zambra
As Garotas de Corona Del Mar - Rufi Thorpe
Ciranda de pedra - Lygia Fagundes Telles

Abril

A voz do arqueiro - Mia Sheridan
Diário de um policial - Diogenes Lucca
O coração do leão - Mia Sheridan
As sete irmãs 02. A irmã da tempestade - Lucinda Riley
As gêmeas do gelo - S. K. Tremayne
As quatro estações - Luiz Carlos Maciel
No seu olhar - Nicholas Sparks
Uma vida no escuro - Anna Lyndsey
A arte do descaso - Cristina Tardáguila
O leão ferido - Mia Sheridan
Nunca jamais - Colleen Hoover
Afirma Pereira - Antonio Tabucchi
1984 - George Orwell

Maio

O amor nos tempos do ouro - Marina Carvalho
Claro como o dia - Eugene O'Kelly
O Quarto Dia - Sarah Lotz
Os Bridgertons 01. O duque e eu - Julia Quinn
Os Bridgertons 02. O visconde que me amava - Julia Quinn
Presos Que Menstruam - Nana Queiroz
A última Camélia - Sarah Jio
O primeiro último beijo - Ali Harris
Beleza Perdida - Amy Harmon
O Manipulador - Jean-Pierre Gattégno
As quatro estações do amor 01. Segredos de uma noite de verão  - Lisa Kleypas
A assustadora história do holocausto - Michael R. Marrus
Encrenca - Non Pratt
Capitães da Areia - Jorge Amado

Junho
A Guardiã de Histórias - Victoria Schwab
As irmãs Romanov - Helen Rappaport
Pérolas da minha surdez - Nuccia de Cicco
A mulher do viajante no tempo - Audrey Niffenegger
Noite sobre as aguas - Ken Follett
Cidade de ladrões - David Benioff
O dilema - John Grisham
Over The Rainbow - um livro de contos de fadxs - Vários autores
Os Bridgertons 03. Um perfeito cavalheiro - Julia Quinn
A dama das camélias - Alexandre Dumas Filho
Memórias de um cabo de vassoura - Orígenes Lessa
Flor da pele - Javier Moro

Julho

A pousada 02. O eterno namorado - Nora Roberts
A Garota dos Olhos Azuis - Karin Slaughter
Flores Partidas - Karin Slaughter
A história de nós dois - Dani Atkins
A Garota Sem Nome - Marina Chapman
Os Bridgertons 04. Os segredos de Colin Bridgerton - Julia Quinn
A cor púrpura - Alice Walker
O navio das noivas - Jojo Moyes
A geografia de nós dois - Jennifer E. Smith
Proibido - Tabitha Suzuma
Não fale com estranhos - Harlan Coben
Os Bridgertons 05. Para sir Phillip, com amor - Julia Quinn

Agosto

Muito além da sobrevivência - Joyce Guerra
Caminhando em silêncio - Emilio Figueira
Belgravia - Julian Fellowes
Volta para mim - Mila Gray
Por dentro da casa branca - Kate Andersen Brower
A busca do Graal 01. O arqueiro - Bernard Cornwell
Os Bridgertons 06. O conde enfeitiçado - Julia Quinn
Amor amargo - Jennifer Brown
Pax - Sara Pennypacker
No Meio do Caminho Tinha um Amor - Matheus Rocha
Antes de partir - Colleen Oakley
Nove Noites - Bernardo Carvalho
Senhora - José de Alencar

Setembro

Sangue e champanhe - a vida de Robert Capa - Alex Kershaw
A garota do calendário 01. Janeiro - Audrey Carlan
A busca do Graal 02. O andarilho - Bernard Cornwell
Mil dias de solidão - Cláudio Humberto Rosa e Silva
A maior de todas as mágicas - James R. Doty
A tristeza da rainha - Suzannah Dunn
Um porto seguro - Nicholas Sparks
Caixa preta - Ivan Santana
Perda Total - Ivan Santanna
Plano De Ataque - Ivan Sant'Anna
Reinações de Narizinho - Monteiro Lobato

Outubro

Nem tudo será esquecido - Wendy Walker
Os Bridgertons 07. Um beijo inesquecível - Julia Quinn
As sete irmãs 03. A irmã da sombra - Lucinda Riley
O Ano em que te Conheci - Cecelia Ahern
Quando o amor bater a sua porta - Samanta Holtz
A colônia - Ezekiel Boone
Nêmesis - Onassis, Jackie O e o triângulo amoroso que derrubou os Kennedy - Peter Evans
Desejo concedido - Megan Maxwell
O Último Adeus - Cynthia Hand
Estive em lisboa e lembrei de você - Luiz Ruffato
A mulher de preto - Susan Hill
A volta do Parafuso - Henry James

Novembro

A pousada 03. O par pefeito - Nora Roberts
O homem de São Petersburgo - Ken Follett
Os Bridgertons 08. A caminho do altar - Julia Quinn
Os Bridgertons 09. E viveram felizes para sempre- Julia Quinn
The 42nd Street Band - Renato Russo
A clínica - Vicente Vilardaga
Uma mulher livre - Danielle Steel
Depois daquela montanha - Charles Martin
Suzy e as Aguas-vivas - Ali Benjamin
A Escrava Isaura - Bernardo Guimarães

Dezembro

Diário de uma princesa improvável 01. Diário de uma princesa improvável - Meg Cabot
Meu Querido Meio-Irmão - Penelope Ward
Renato Russo - O filho da revolução - Carlos Marcelo
Um homem irresistível - Danielle Steel
A mentira - Nora Roberts
O ar que ele respira - Brittainy C. Cherry
Colecionadores de histórias - Rogério Feltrin
Um Conto de Natal - Charles Dickens
Dia de folga - Um conto de natal - John Boyne
Travessuras no Natal - Tanya Anne Crosby
A vida louca da MPB - Ismael Caneppele
O casamento - Nicholas Sparks
A contadora de filmes - Hernan Letelier
Um Amor para Recordar - Nicholas Sparks
Aquela água toda - João Anzanello Carrascoza
George - Alex Gino

34 comentários:

  1. Alice é o meu livro favorito :)
    Não curti muito O sol é para todos e queria muito ler A Cor Púrpura.
    Gostei das indicações :)

    ResponderExcluir
  2. Oi Tamara,

    Eu sempre foco em 100 livros no ano, mas apenas uma vez consegui chegar nessa meta. Esse ano foi bem fraco para mim por problemas pessoas, tiveram meses que eu li dois livros. Mas ano que vem a esperança é de ser diferente. :)

    Bjs, @dnisin
    www.sejacult.com.br

    ResponderExcluir
  3. oie! Tudo bem? Estou de olho em Alice faz tempo, um dia compro ele! E cara meu Deus que capas lindas essas dos clássicos nacionais, não sou fã deles, mas amei as capas!
    Bjss http://resenhasteen.blogspot.com.br/2017/01/um-porto-seguro.html

    ResponderExcluir
  4. Olá
    Amo poder acompanhar retrospectivas e também me identificar com alguns dos títulos. No meu caso, 2016 foi um ótimo ano e consegui me superar nas minhas metas e fico muito feliz por isso. Você leu muitos livros em 2016 também, parabéns!!! O skoob é ótimo para nos ajudar né?! Ahh, li vários título que você leu também ♥
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  5. Adoro quando chega essa época do ano e as blogueiras publicam retrospectivas, é o tipo de post que mais gosto de ler.
    Eu também preciso fazer um projeto de clássicos, já que não leio tantos livros assim. Dos que você leu, O sol é para todos é o mais desejado, já que ele passa várias mensagens e é narrado por uma criança.
    Nossa, você lê muitos livros por mês!
    Também li O Ano em que te Conheci e adorei, quero saber se você gostou tanto quanto eu
    Quero ler A colônia, mas tenho medo de aranhas, então seria uma leitura arriscada rsr

    ResponderExcluir
  6. Ignorei o resto da postagem quando vi que você não gostou de Alice. Como assim? Eu tenho 18 anos, prestes a completar 19 e foi uma das minhas melhores leituras! E eu ainda li duas vezes DIRETO (uma em inglês e uma em português) e fiquei totalmente apaixonada com esse mundo fantástico e louco, e conheci personagens que nem tinha ouvido falar que existiam na história. Moça, lê de novo que você leu errado u.u
    Desabafo a parte, adorei esse projeto de clássicos que você fez, mas como tenho poucos na estante, não daria certo pra mim. Esse ano vou tentar ler mais livros, assim como você, quem sabe eu consiga?

    Um abraço!
    Parágrafos & Travessões

    ResponderExcluir
  7. Oi!
    Menina, você é uma máquina de leitura haha! Adorei a sua ideia de ler um clássico por mês. Assim como você tenho essa vontade de lee mais clássicos mas sempre acabo os deixando de lado e não lendo nenhum. Acho que é um bom projeto pra colocar em prática em 2017.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Tamara, acho que já disse que Senhora é o meu clássico favorito, então, ve-lo neste post, fez meu coração saltar uma batida. Amo muito 1984 e acho que é a melhor distopia do universo.
    Linda galeria de clássicos!!!
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Olá
    Uau, fiquei feliz de ter lido 53, e você leu 150!!
    Gostei do seu projeto de ler um clássico por mês, estou precisando fazer isso também
    Li alguns dos citados Alice é meu marco da infância, meu primeiro livro, li quando tinha 6 anos, e é o primeiro livro desse ano.

    ResponderExcluir
  10. Menina eu estou chocada com você, como consegue ler tanto? O.o eu li 63 e ainda foi muito difícil kkk e eu amei a ideia de colocar um clássico por mês, só assim a gente lê aqueles que estão guardados a séculos na estante né. Muitos da sua lista eu estou louca pra ler. Parabéns!!

    www.memoriasdeumaleitora.com.br

    ResponderExcluir
  11. Olá Tamara, tudo bem?

    Fico tão feliz em ver as pessoas lendo clássicos! Eu até tinha um projeto desses, mas acabei largando mão porque todo mundo acha que isso é um porre. Infelizmente. Aí eu decidi seguir com isso sozinha, rs.

    Capitães da Areia é maravilhoso e eu tenho muita vontade de reler. Espero fazer isso até o fim do ano.

    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Oie!
    Nossa, quantos títulos que ainda não tive a oportunidade de ler e ainda os que eu não conhecia. Ótima postagem e parabéns por todos os livros que leu. Já deu par anotar o quanto aproveitou o ano de 2016!
    bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  13. Oie amore,
    Adorei o seu post amore... dos livros mencionados:
    Alice; A cor púrpura; Reinações de Narizinho; – quero muito ler;
    Ia colocar os que quero ler... mais tem muita coisa boa ai nessa lista!!!
    E muita coisa pra conhecer!
    Beijokas!
    www.facesdeumacapa.com.br

    ResponderExcluir
  14. Olá!! :)

    Eu tenho acompanhado e como tal já sabia que leste bastante por mês, e no total (claro!) :) Parabéns por este ano!!

    Dos clássicos, so li mesmo 1984 de George Orwell, e gostei bastante. E quero ler o Um Conto de Natal, do Dickens... :)

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  15. Alguns dos livros clássicos que você leu em 2016 eu li no decorrer dos anos passados (inclusive em minha adolescencia/juventude). Senhora foi um deles e me senti exatamente como você!

    Mas Alice... É só deixar o seu lado infantil que se maravilha facilmente tomar conta!

    E queria eu conseguir ler tantos livros assim num ano!!!

    www.asmeninasqueleemlivros.com

    ResponderExcluir
  16. Oie, eu adoro "Senhora", é um dos meus clássicos nacionais favoritos. Parabéns pelo projeto, é sempre bom se desafiar e atingir a meta. Ótimas leituras em 2017!

    ResponderExcluir
  17. Olá Tamara
    Você é uma máquina de leitura, não é? rs
    Gostei de ver que você leu tantos clássicos assim, quero ser como você, quando crescer. O único clássico que já li foi O sol é para todos. Já li Alice, mas foi uma versão encurtada da história para a aula de inglês.
    Sobre as demais leituras. Quero ler O último Adeus, estou mega curiosa para saber o que vou achar.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  18. Tamara, tudo bem?

    Que lista mais fantástica! Adorei a ideia de colocar ao menos um clássico por mês, acho que vou copiar. Temos 19 leituras em comum, passamos bastante tempo com os Bridgertons ano passado, hein? 20 se contar minha leitura atual, Amor Amargo (até agora gostando).

    Adorei teu post!

    Beijo,
    Leitoras Inquietas

    ResponderExcluir
  19. Uaaaaaaal, amei o post tamara, e adorei o projeto também, talvez o faça ano que vem já que esse ano estou com um de 6 meses de agatha chrstie e seis de stephen king, estou orgulhosa de você, nossa, 150 livros é muita coisa, todo ano tenho a meta de 100 mas nunca consigo, irei me inspirar em você esse ano para conseguir, beijos linda.

    ResponderExcluir
  20. Que lindo sua retrospectiva ser baseada em clássicos. É lindo vermos isso. Percebi nesse post que preciso voltar a ler os livros nesse estilo pois daí só tinha lido a escrava Isaura. Beijos e continua assim esse ano. Beijos

    ResponderExcluir
  21. Senhora, Narizinho... Curti que você deu destaque a essas obras clássicas. Sua retrospectiva é de deixar todo mundo de queixo caído. Parabéns pela postagem e pela super disposição durante o ano e que venha mais e mais livros!

    ResponderExcluir
  22. Que máximo, você leu bastante! Esse ano quero me planejar para ler clássicos também, acho que vou começar pelos três livros da Jane Austen que aguardam sua vez aqui e depois vou pensar nos que mais tenho vontade de conhecer. Adorei 1984 e Reinações de Narizinho, esse último inclusive li quando criança e preciso reler.

    ResponderExcluir
  23. Oi, Tamara!
    Parabéns pelas leituras! Dos clássicos da sua lista já li O Sol é para Todos, Senhora e A escrava Isaura, amei demais essas leituras. Quero ler ainda mais clássicos em 2017, tenho muita coisa boa da literatura clássica que eu ainda não conheço e quero aproveitar para conhecer. :)

    Beijos,

    Rafa [ blog - Fascinada por Histórias]

    ResponderExcluir
  24. Oi Tamara, acho que tenho que fazer um projeto desses porque sempre me dá preguiça de começar a ler clássicos também. Dos doze livros que leu eu só li Alice, Reinações de Narizinho ( tenho todos os livros do Lobato) e Senhora do José de Alencar ( obrigada na escola).
    Os outros eu não li e o que tenho muita vontade de ler é Capitães de Areia.
    Bjs

    ResponderExcluir
  25. Oieee
    Tudo bom?
    Nossa você leu muito.
    Gostei dá sua ideia e vou começar a anotar por mês as minhas leituras.
    Babando neles aqui,mas clássico acredita que não li nenhum?
    Parabéns pela sua iniciativa.
    Beijos

    ResponderExcluir
  26. Oie
    que legal seu post de retrospectiva e poder saber suas leituras. O sol é para todos é maravilhosos e não quero deixar passar esse ano sem ler Capitães da areia, só eu nao li ainda :(

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  27. Olá =) Ainda quero ler o livro de Lewis Carroll, realmente é um clássico. O livro de George Orwell não me desperta interesse, e os outros não conhecia mas aprece interessante. Quero ler mais clássico, ficarei de olho nas suas resenhas desse tipo de livro para pegar indicações. Beijos'

    ResponderExcluir
  28. Olá, tudo bem? Nossa que ano bem cheio de leituras né? Espero que a maioria tenha sido boa <3 Do seu projeto de clássico, adorei, preciso fazer isso algum dia pq tem um bom tempo que não leio esse gênero. Dos citados amo 1984, Senhora e Alice <3 150 livros lidos é um bom número e estou surpresa. Adorei!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  29. Tão bom quando a gente consegue estabelecer algumas metas e cumpri-las, né?
    Eu achei que fosse conseguir chegar perto dos 150, até porque o ano começou com uma vibe muito boa, mas infelizmente no segundo semestre tive alguns problemas e não consegui ler tanto quanto gostaria, então fechei o ano com 99 leituras...
    varios dos livros que você citou (alguns clássicos e alguns da sua lista de leituras) estão na minha lista e eu espero que 2017 eu chegue nos 150 :)
    Beijinhos,
    Lica
    Amores e Livros

    ResponderExcluir
  30. Olá,
    Queria parabeniza-la por ter lido 150 livros. É muita coisa. Eu não consegui nem metade disso, por conta da universidade. Achei sua meta de ler um clássico por mês incrível. Eu também preciso ler clássicos e já tentei ler um por mês e acabei abandonando.
    Beijos,
    Delírios Literários da Snow

    ResponderExcluir
  31. Meninaaaaa quantos livros!!!
    Como consegue? Como vive? De onde vem? O que faz? hahahaha
    Ameiii o post e a sua lista de livros... parabens de verdade!!! E parabens tbm pela organização....
    Arrasou!

    beijos
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  32. Caramba, você leu bastante! :)
    Eu tenho Capitães da Areia, mas nem li ainda. Tenho muita vontade de ler 1984 e O Sol é Para Todos, tenho que comprar. E sobre os seus lidos ao longo do ano, li alguns. A Voz do Arqueiro, por exemplo, li em 2015 e entrou para os meus favoritos.

    Beijo

    ResponderExcluir
  33. Oi Tamara, quantas páginas menina. kkk

    Seu ano foi de inúmeras realizações literárias e isto é um orgulho para todo e qualquer leitor.

    De todas suas leituras, a que eu mais gostei de saber que você leu, foi a série Os Bridgertons, cujo também iniciei em 2016 e pretendo finalizar neste ano!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  34. Oi, tudo bem?
    Eu até certo tempo atrás me achava um leitor imaturo para ler clássicos, mas ano passado ainda dei chance para a revolução dos bichos e amei. Em 2017 espero conseguir ler pelo menos 5 clássicos.

    ResponderExcluir