20 janeiro 2017

[Janeiro, Mês da Visibilidade Trans] Resenha: Meu Nome é Amanda - Por Amanda Guimarães



Título: Meu nome é Amanda
Autor (a): Amanda Guimarães
Páginas: 136
Editora: Rocco
Skoob || Encontre

Sinopse: Com mais de 245 mil inscritos em seu canal no Youtube e vídeos que alcançam mais de um milhão de visualizações, a youtuber Mandy Candy conta sua história em livro. Nascida em Gravataí, no Rio Grande do Sul, Amanda nasceu num corpo de menino do qual sempre se sentiu desconectada. Ela juntou dinheiro e aos 19 anos, com o apoio da mãe, foi para a Tailândia fazer a cirurgia de redesignação sexual. Em seu canal no Youtube, ela fala, entre outras coisas, sobre feminismo e identidade de gênero, e faz enorme sucesso entre os adolescentes. No livro, Mandy conta tudo sobre bullying, sua fase de transição e sua trajetória até se tornar uma das youtubers mais conhecidas da internet.

Amanda Guimarães Borges nasceu em Morungava, distrito de Gravataí, no Rio Grande do Sul, há 28 anos. Foi designada menino em razão da sua biologia, mas algo sempre lhe disse que ela era uma menina em um corpo totalmente errado.

"Minha mãe sempre soube que eu era diferente. Por exemplo, ela me via com uma calça enfiada na cabeça, correndo pela casa e brincando. Eu usava a calça na cabeça para fingir que eu tinha um cabelo comprido como minha irmã. Eu também pegava os batons dela escondidos para me maquiar, com quatro ou cinco anos de idade. Eu era o único dos irmãos que fazia isso.
Uma vez minha mãe me perguntou o que eu queria ser quando crescesse e eu respondi que queria ser mulher. Eu disse que eu era uma menina e queria me tornar uma mulher, como ela."

Foi então que a então menina Amanda começou uma complicada fase entre bullying e auto descoberta, cogitando até mesmo suicídio quando não parecia mais aguentar a falta de respostas para sua profunda angústia. E assim, Amanda descobriu que era uma mulher transexual e desejou fazer a transição para que sua imagem no espelho correspondesse ao que sua mente sempre falou.
Entre episódios de preconceito recebido de fora e o amor recebido dez vezes mais de sua família, Amanda subiu todos os degraus que pôde até chegar ao momento em que se tornou uma das mais amadas e importantes Youtubers do país, Mandy Candy. Conheçam a história de uma pessoa extraordinária...







Um livro de Youtuber, Lady Trotsky? Sim, é.
Não, porém, um simples livro de Youtuber, mas de uma Youtuber trans. Mais do que isso, uma das pessoas mais corajosas e extraordinárias que já conheci na minha vida e olha que eu já vi várias. Mas como Amanda Guimarães Borges, não há outra igual. O livro? Meu Nome é Amanda. E sim, ela se chama assim. Não venha me perguntar qual o nome anterior porque não sei e NÃO FAÇO questão de saber. Pois a conheci como mulher e a considero como tal. Além de tê-la, no meu coração, como uma grande amiga.

Portanto, quem vier com transfobia ou qualquer outro tipo de preconceito ou babaquice (que na minha opinião dá no mesmo) pode dar o fora dessa página agora e ir aprender sobre empatia e respeito ao próximo.


Sim, amigos, amigas e amigues do Rillismo, estou assumindo meu lado fangirl da Mandy Candy, uma das razões pelas quais estou trazendo esse livro para resenhar aqui. A outra razão é que Janeiro é, como eu já falei no post sobre o filme A Garota Dinamarquesa, o Mês da Visibilidade Trans. Porque assunto PRECISA ser comentado de todos os modos possíveis para que a sociedade pare de ter tanto preconceito com aquilo que diverge do que se pensa geralmente.

Colocando uma pequena explicação para quem ainda não sabe o que é “transexual”... (Acho difícil que alguém não saiba, mas nunca é demais esclarecer para quem desconhece o termo.)
Transexual é uma pessoa que é designada com um gênero ao nascer, mas que não se identifica com ele quando está se desenvolvendo e amadurecendo. Uma pessoa designada homem pode se identificar como mulher e vice-versa. Existe, entretanto, quem se encaixa na categoria não-binários, os que não se identificam com nenhum dos gêneros. Um exemplo de não-binário: Hugo Nasck, Youtuber. Sim, a pessoa aceita tanto “o” quanto “a” na hora de se referir. Mas existem termos que designam gente não-binária. Como “amigues”, que eu coloquei anteriormente.

Antes disso, porém, tenho que admirar a edição maravilhosa criada pela Rocco, cuja capa com as cores branco, azul e rosa é simplesmente linda! A fonte é pequena, mas as margens são excelentes, então a leitura flui direitinho. Ajuda que o livro também não é muito grande, mas por menor que ele seja no tamanho físico, o conteúdo é uma gigante lição de vida apesar de algumas partes serem um pouco densas devido ao assunto. Mas a leitura é tão boa independente desses pontos que li em menos de três horas.


Que devo comentar, foi enquanto eu esperava a Mandy chegar para autografar o meu livro no lançamento aqui em Porto Alegre, no Shopping Praia de Belas. Não apenas conheci pessoalmente a Amanda, como abracei, beijei, chorei, sorri, tirei fotos e recebi um autógrafo lindo de viver. Além de ter travado contato com a mãe dela, a dona Maria Tereza, por quem eu nutro um SENHOR respeito por ter sido e ser uma excelente mãe. Além de uma guerreira que não se permitiu abater pela ausência do pai dos filhos dela. Tal qual aconteceu com a minha falecida avó Aracy, que criou o meu pai e mais cinco tios meus sozinha lá nos anos sessenta.

Nesse livro, Amanda relata, com uma linguagem simples, direta e bem no estilo dos vídeos dela, toda a trajetória da sua vida. E por mais que ela narre sua história de maneira descontraída e alegre, a verdade é que os capítulos mais longos do livro falam sobre bullying e preconceito, inclusive no que diz respeito ao nome social. Garanto, pessoas, que não é fácil ler sem ficar se perguntando como existem pessoas que não conseguem entender o que está óbvio na cara delas. Porque então é tão difícil aceitar que a pessoa na tua frente é uma mulher ou um homem trans? Sério, qual é a diferença real entre cis e trans?


Exceto pelo tratamento hormonal e a cirurgia de redesignação sexual (reafirmo que NÃO É “mudança de sexo"), uma pessoa trans trabalha, estuda, namora, transa, se casa, adota filhos ou animais de estimação, lê livros, acessa a internet e etc. Exatamente como nós. Devo comentar, Mandy tem uma vida absolutamente normal em Hong Kong. Portanto, me diz onde está a diferença da qual tantos falam? Não estou vendo, e você?

Pelo menos é assim que deveria sempre ser, mas não é, porque infelizmente a maior parte das pessoas transexuais vivem à margem da sociedade, se prostituindo ou tendo que se virar em cinco para ter o que comer. Porque não raramente a família não aceita a pessoa do jeito que ela realmente é e não se dá ao trabalho de ajudar. O que não aconteceu com a Amanda, pois ela afirma durante todo o livro que a família foi essencial durante o processo de transição, onde ela enfrentou problemas sérios enquanto transicionava.


Ainda mais porque o Brasil é o país líder em morte de pessoas transexuais, cuja expectativa de vida é de apenas 36 anos em razão de toda a intolerância e preconceito que essas pessoas enfrentam todo o santo dia. Especialmente por culpa de uns imbecis que se escondem atrás da Bíblia para propagar o ódio a aquilo que eles ACHAM que não é de Deus. Quem não é de Deus são esses “cristãos” sem amor ao próximo e os falsos profetas que exploram a fé alheia e ganham rios de dinheiro às custas dela. (Pastores milionários, estou olhando para vocês.) Portanto, queridinhos, olhem o rabo de vocês antes de monitorar o dos outros.
Um vídeo para que vocês de uma vez por todas entendam que não existe diferença entre cis e trans...


Ela dá uns bons exemplos sobre a gente não se aceitar 100% do tempo. Sim, eu estou ciente de que o vídeo é bem direto e pode incomodar, mas eu não ligo. Se é para conscientizar essa gente fraca das ideias, que seja! Pois não estou nem aí porque estou CANSADA de ver tanto preconceito e gente se achando só porque frequenta igreja ou coisa parecida. Menos, gente, por favor. MENOS. Isso não é pedir muito.

Meu Nome é Amanda é, afinal, um excelente livro que vai te fazer repensar muitos dos pré-conceitos existentes na sua cabeça e te fazer ficar apaixonado por essa figura linda chamada Mandy Candy.



20 comentários:

  1. Olá, Renta, tudo bem?

    Já tinha visto esse livro por aí, mas nunca tinha parado para ler a sinopse. Eu não conhecia a Amanda, não até agora, através da sua resenha. E agora posso dizer: quero ler o livro! Estou super curiosa para saber mais sobre a vida da Amanda e saber como ela enfrentou essa mudança. Ainda não pude ver A Garota Dinamarquesa, mas tenho muita vontade de assistir, e assim que tiver uma oportunidade, verei.
    Parabéns pela bela postagem!

    Beijos,
    Dai | Virando a Página

    ResponderExcluir
  2. Oie! Tudo bem? Conhecia a Amanda por meio de uma entrevista e achei muito corajosa e de grande lição a vida dela, o livro não faz o meu tipo de leitura, mas concordo com tudo o que você falou na resenha, principalmente sobre quem usa o nome de Deus para propagar ódio e preconceito por ai, acho isso muito errado em relação a muitas religiões, e cara acho maneiro demais ela viver agora em Hong Kong!
    Bjss

    ResponderExcluir
  3. Olá, muito boa essa resenha. Eu ainda não conhecia a Amanda pelo canal, só vim a saber sobre ela com o lançamento do livro. Acho que é de extrema importância a publicação desse livro e o fato de falarmos sobre ele na blogosfera, para que mais pessoas saiam da ignorância e deixem seus preconceitos de lado e possam entender melhor o que é ser uma pessoa trans.

    ResponderExcluir
  4. Oi, Renata!
    Já fui fuçar o vlog do Hugo Nasck. Adorei! Fala de maneira tão clara sobre as coisas e sobre si mesmo. ^^
    Também dei uma olhada nesse vídeo da Amanda. kkk Ela parece ser bem divertida.
    Fiquei curiosa com o livro dela, saber mais sobre como foi esse luta enorme pela qual ela passou e saber também como superou isso.
    Obrigada pela indicação!
    Beijão!
    http://www.lagarota.com.br/
    http://www.asmeninasqueleemlivros.com/

    ResponderExcluir
  5. Olá
    Eu já conhecia esse livro e acabei indo conferi a YouTuber e seus vídeos são bem interessantes. Sou muito aberto par alernlviros de YouTuber inclusive li três ano passado. Como já comentei, li deveras resenhas e sempre bem elogiadas como essa sua e espero muito ler o mesmo esse ano que se segue. Até mais ver
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Oi Renata, sabe que o fato do livro ser de youtuber, nem tinha me passado pela cabeça, porque conheci a história da Amanda, o livro já estava publicado, então, é como se uma escritora, tivesse criado o canal... rs Acho que essa história de vida deve ser um exemplo de superação sim e uma maneira honesta de sairmos dos rótulos e irmos contra o preconceito. Quero ler e acredito que eu vá gostar muito.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Olá ♥
    Eu não conhecia o canal da Amanda, eu fui conhecer depois do livro. Tenho muita curiosidade em conhecer a estória dela. Achei muito bacana ela transformar suas vivencias em um livro. As pessoas deveriam ler, para aprender a respeitar ao proximo. Meus amigos que leram só soltaram elogios. Muitas pessoas que eu conheço falaram que não iria fazer a leitura do livro por que era de Youtuber, mas acho que o caso da Amanda independentemente dela ser uma youtuber, ela está contando a estória dela, e como foi a aceitação de todos. Adorei sua resenha. Você me deixou muito empolgada para fazer a leitura desse livro. Fora que sempre achei a capa linda ♥ Beijos ♥

    ResponderExcluir
  8. oi, renata, eu li recentemente o livro George, de alex gino, que falava exatamente do tema, era um infanto-juvenil, mas achei muito bom no sentido de conscientizar e falar sobre esse tema tão importante, então adorei também aqui ver a hist´ória da amanda, e fiquei extremamente feliz ao saber que apesar do preconceito que encontrou de fora, amanda sempre teve o intenso apoio de sua família, o que é muito importante. Tenho certeza que todos os temas que ela nos apresenta são uma grande lição. Fiquei com vontade de ler o livro.

    ResponderExcluir
  9. Olá! Eu já conhecia ela pelo youtuber, e já ouvi falar do livro também. Realmente ela é bem corajosa, pois ser trans para muito o assunto é um tabu e a pessoa pode sofre muito preconceito. Mas que bom que apesar dos bullying ela foi forte e agora motiva outras pessoas. Eu não conhecia esse termo não-binários, bom saber. Que bom que a a edição está maravilhosa. Que bom que no lançamento do livro ela deu toda atenção. É muito triste o Brasil ser o país líder em morte de pessoas transexuais. Odeio esses imbecis que se escondem atrás da Bíblia, por que Deus fala que devemos amar e respeitar o próximo, e essas pessoas que se escondem atrás da Bíblia faz com que muitos pensa que ser cristão é agir como eles. Beijos'

    ResponderExcluir
  10. Oi Renata!
    Eu achei maravilhosa a sua iniciativa de trazer a resenha dessa livro pra gente, mais maravilhoso ainda foi a sua introdução. Mais didática do que isso impossível.
    Eu já conhecia a Amanda, ela veio na Bienal do Livro aqui em SP ano passado. O Hugo Nasck eu ainda não conhecia e fui lá no canal dele conhecê-lo.
    Acho lindo o trabalho gráfico desse livro!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Sou fã da youtuber, mas infelizmente não comprei o livro ainda, estou interessada pra saber como foi pra ela passar por esse processo e como enfrentar tais dificuldades; sinto que independente da sexualidade o que vale acima de tudo é o caráter o resto é apenas um mero detalhe, acho sim que devemos dar mais visibilidade aos trans e a todos que queiram ganhar seu espaço. Adorei os posts para incentivar essa visibilidade.
    Beijos,Lari.
    Segredosdeumacerejeira.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Bom, pelo que entendi o livro é uma autobiografia, certo? Falando de todo o bullying e preconceito que a Amanda precisou - e provavelmente ainda precisa - enfrentar. Não curto livros assim, só por isso não leria. Mas fiquei chocada com essa expectativa de vida de 36 anos para transsexuais, como pode tanta intolerância? E já começa na inexistência de algo para ser tolerado, vou te falar, esses "cristãos" que se acham melhores que os outros deveriam ler a Bíblia com mais atenção e entender o significado de uma palavrinha chamada contexto.

    ResponderExcluir
  13. Olá!
    Não conhecia a Amanda, na verdade eu sou bem desatualizada quanto aos livros de youtubers. A leitura não faz muito meu tipo, então não leria, mas ela foi muito corajosa ao escrevê-lo, principalmente com a mentalidade primitiva das pessoas e todo esse preconceito desnecessário.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Já tinha visto esse livro na Leitura, mas por ficar na bancada onde ficam os livros de youtubers, não tive interesse em ler.
    Achei a estória da Amanda emocionante. Imagino o que ela deve ter passado. Preconceito é uma coisa de pessoas que vivem "no escuro", que não sabem o que se passa de verdade.
    Parabéns a ela pelo sucesso que está fazendo. E parabéns a você pela iniciativa.

    ResponderExcluir
  15. Oi gente, tudo bem?
    Muito agradecida por esse feedback positivo nesse post que eu escrevi com tanto carinho! Com certeza a Mandy merece tudo do bom e do melhor que a vida tem a oferecer!
    Abraços e beijos da Lady Trotsky...
    http://rillismo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  16. Olá,
    Achei sua postagem simplesmente maravilhosa e concordo que o assunto deve ser abordado, comentado e divulgado mais e mais!
    Confesso que ainda não li nada que aborde tal temática, mas acho essa capa maravilhosa! Sua resenha me deixou animada a fazer a leitura e conhecer mais sobre os dramas vivenciados pela Mandy.

    LEITURA DESCONTROLADA

    ResponderExcluir
  17. Olá, tudo bem?
    Este é o único livro de uma Youtuber que desejo ler. Pois muito além disto, temos ai a superação, a vontade de ser quem realmente é, sem esconder nada. Admiro muito Amanda, por sua luta para ser aceita por quem ela deseja ser, por quem ela verdadeiramente é. Admiro muito a mãe dela, pela força que dá a filha. Quero ler, muito em breve.

    ResponderExcluir
  18. Oi, tudo bem?
    Eu não costumo acompanhar nenhum youtuber, por isso não conhecia a Amanda, mas de cara fiquei animada com a sua resenha, pois esse parece um livro interessante, diferente da maioria dos livros de youtubers que não me animam.
    Bom, eu imagino que deva ser realmente muito interessante conhecer a história dela e fiquei feliz ao ver que a família deu muito amor e apoio,porque infelizmente não é isso que acontece sempre, né?
    Enfim, não sou fã da Amanda, mas fiquei curiosa com o livro.

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  19. Acabei vendo um monte de videos dela no youtube depois de ler sua resenha, gostei muito dela! Ainda mais por ver que ela gosta de animes e mangás, melhores pessoas! (ou não depende do caso XD)

    Concordo com suas palavras, pessoas que se preocupam com quem estamos na cama, com nossos interesses, não tem muito com o que se preocupar com a própria vida ou simplesmente é invejinha. Sei lá.

    Gostei do livro, gostei da Mandy, gostei da resenha!

    Abraços!
    www.asmeninasqueleemlivros.com

    ResponderExcluir
  20. Oie
    Tudo bom?
    Não conhecia a Youtubers, mas achei interessante a história de vida dela é por ela ter o apoio dá mãe, pois se a família não está ao lado, infelizmente pode acontecer coisas que não são legais.
    Beijos

    ResponderExcluir