07 março 2017

[Resenha] Simplesmente o paraíso - Por Julia Quinn



Título: Simplesmente o paraíso
[Quarteto Smythe-Smith #1]
Autor (a): Julia Quinn
Páginas: 272
Editora: Arqueiro
Skoob || Encontre

Sinopse: Honoria Smythe-Smith é parte do famoso quarteto musical Smythe-Smith, embora não se engane e saiba que o dito quarteto carece sequer do menor sentido musical e tem esperanças postas que esta seja a última vez que se submeta a semelhante humilhação. Esta será sua temporada e com um pouco de sorte conseguirá um marido.
Durante um jantar, põe seus olhos em Gregory Bridgerton, um dos mais jovens da família Bridgerton. Sabe que não está apaixonada, mas ele parece uma opção mais que válida.
Marcus Holroyd é o melhor amigo do irmão de Honoria, Daniel, que vive exilado na Italia. Ele prometeu olhar por ela e leva suas responsabilidades muito seriamente. Odeia Londres e durante toda a temporada, permaneceu vigilante e intermediou quando acreditava que o pretendente não era o adequado.
Honoria e Marcus compartilham uma amizade, pouco atípica, fruto dos anos que se conhecem e que o torna parte da família.
Entretanto, um desafortunado acidente faz que ambos repensem sua relação e encontrem a maneira de confrontar o que surge entre eles, se tiverem coragem suficiente.


Todas as jovens solteiras da família Smythe-Smith em algum momento participaram do quarteto musical mais famoso de Londres. Famoso não por seu excelente despenho nos recitais anuais, mas sim por não terem nem um pingo de talento musical em seus corpos. Todas as jovens consideram uma tortura e grande constrangimento social já que mesmo sendo péssimas, toda sociedade londrina encistem assistir somente para constatarem que as moças não melhoram em nada. Casamento é o único jeito de escapar dessa tragédia, mas para Honoria, estar no quarteto representa tradição familiar, e ela como uma Smythe-Smith, ama cada segundo.

"Lady Honoria Smythe-Smith estava desesperada.
Desesperada por um dia ensolarado, desesperada por um marido, desesperada... por um novo par de sapatos, pensou com um suspiro exausto enquanto baixava os olhos para as sapatilhas azuis arruinadas."

O grande problema é que todas suas irmãs já se casaram e agora somente ela está solteira, e apôs seu irmão Daniel manchar o nome da família, Honoria deseja fervorosamente se casar pois não aguenta mais o desinteresse da mãe pela vida, e foi exatamente por isso que ela foi ao campo para uma pré-temporada, quem sabe assim os rapazes solteiros a vê antes da alta temporada.

"- Lorde Chatteris ja assistiu ao concerto?
- Ah, ele comparece todo ano. E senta-se na primeira fileira.
Era um santo, pensou Honoria. Ao menos por uma noite a cada ano."

Desde que Marcus foi mandado para a escola ainda criança, ele se identificou com Daniel, e tendo um pai que nunca lhe deu importância, Marcus passou boa parte da infância na casa dos Smythe-Smith. Honoria era uma criança chorona quando a conhecera, e como todo garoto da sua idade, ele ajudava implicar com a pequena. Apôs anos juntos, Marcus se tornou parte da família, e quando Daniel teve que fugir para Itália as pressas por conta do escândalo, ele não pode dizer não quando Daniel o fez prometer que cuidaria para que Honoria não se casasse com alguém inapropriado.

"[...] se fosse lançar olhares desejosos para alguém, com certeza não seria para Marcus Holroyd."

Honoria está completamente decidida que Gregory Bridgerton será seu marido. E assim como qualquer dama, ela cava um buraco de toupeira para fingir uma torção na vã esperança que Gregory ache que ela é uma donzela ferida. Mas esse mirabolante plano sai totalmente errado quando na realidade Marcus que torce o pé ficando entre a vida e a morte. Se sentindo completamente preocupada e culpada pela situação de Marcus, Honoria vai a sua casa dar os devidos cuidados, mas ela começa a se sentir diferente em relação a ele. Marcus sempre foi o amigo irritante do irmão, mas cada vez que o vê seu coração bate mais forte, e seu desespero por sua vida mostra que talvez ela já não o veja mais como um irmão mais velho. Marcus nunca imaginou que pudesse um dia se apaixonar, e ainda mais por Honoria, mas tudo nela é familiar e reconfortante, e o desejo que sente toda vez que a vê mostra que já não a vê como a irmã irritante de seu amigo, mas Marcus fez uma promessa a Daniel e jamais faria algo que o magoasse. Contra tudo que se possa imaginar Honoria e Marcus descobrem a paixão juntos, mas é uma longa caminhada até um coração feliz.





Julia Quinn é a rainha dos romances de época, isso é inegável. Amei com todas minhas forças a série dos Bridgertons, e fiquei super triste quando terminei o último livro, e assim, me vi órfã dessa família. Quando a Arqueiro divulgou que lançariam mais uma série da rainha já fiquei animada, é impossível pegar um livro dela esperando menos que favoritá-lo, mas ainda assim, fiquei com aquele receio que talvez não me sentisse acolhida pelos Smythe-Smith. É obvio que depois de algumas páginas esse receio já tinha ido embora,  Honoria e toda a família já tinham me conquistado, e saber que um dos Bridgertons apareceria no livro era só mais um bônus.

"Inclinou-se para a frente, tomou o rosto dela entre as mãos e capturou sua boca em um beijo apaixonado. Honoria se sentiu arder, então derreter e quase evaporar. Teve que se controlar para não rir alto de tanta alegria e se ergueu na ponta dos pés para tentar chegar mais perto."

Narrado em terceira pessoa daquele jeito que só a Julia Quinn sabe fazer, conhecemos Honoria, uma jovem totalmente devota e apaixonada pela família. Ela sofre pelo irmão que teve que teve que deixar o país, sofre pela mãe que nunca superou o escândalo e a falta do filho, sofre pelas primas que precisam participar do quarteto mesmo sabendo que será humilhante, e assim, Honoria tenta fazer com que todos se sintam melhores, sempre pensando neles primeiro para depois em si. Dizer que ela tem o coração grande seria pouco, mas não se enganem, Honoria é muito mais que uma pessoa altruísta. Também é muito divertida, honrada, corajosa e protege aqueles que ama. Fiquei admirada pela construção tão firme da personagem, tudo isso poderia qualificá-la como uma pessoa irreal, mas tudo nela é tão sútil e natural que desejei que ela fosse mesmo real (pena que não é).


Já Marcus é aquele tipo de personagem que descobrimos quem ele é aos poucos. Um tanto quanto fechado e intimidador, poucas pessoas o qualificariam como uma pessoa divertida, mas é exatamente assim que ele é, a grande diferença é que Marcus é tímido e só mostra quem é para aqueles que realmente conhece, tarefa difícil já poucos conseguem chegar perto. A forma como ele age se deve ao seu passado, desde sempre foi sozinho já que sua morreu quando ainda era criança e o seu nunca ligou para ele, sendo assim, foi educado pelos criados até entrar na escola. Me doeu o coração pensar na criança abandonada de afeto, mas que ao mesmo tempo, tinha todo bem material que desejava. Mais triste ainda é saber que isso se reflete em nossa sociedade até hoje onde muitas crianças são negligenciadas em amor levando isso para sua vida adulta. Marcus só descobriu o que é amor e receber cuidados depois de adulto, e mesmo assim foi difícil para ele aceitar.

"Marcus Holroyd estava sempre sozinho."

Nesse ponto creio que foi a intensão da autora em mostrar o contraste das criações. Honoria vindo de uma família grande e cheia de amor, enquanto Marcus vindo de uma família poderosa e frigida, ele só estava ali para dar continuidade na árvore genealógica. Mas felizmente os Smythe-Smith estavam lá para acolhe-lo, e mesmo sem perceber, ele já era parte da família.

E por falar em família, assim como Bridgertons, os Smythe-Smith são calorosos. Conhecemos as primas de Honoria (que são muitas), e também o laço de amizade que possuem, um laço até mesmo de cumplicidade já que precisam fazer o recital todos os anos. Algo que sempre fiquei curiosa lendo os livro os Bridgertons era por que todos odiavam a musica do quarteto e mesmo assim assistiam, e mais, por que elas passavam essa humilhação, será que não tinham ideia que eram péssimas? E tudo isso é explicado e agora eu quero poder assistir uma apresentação. Vai muito além de simplesmente tocar um instrumento (muito mal por sinal), elas sabem que são péssimas, porém é o valor familiar que faz com que todas participem, tradições são raras e as que existem precisam ser honradas.


Vi muitas pessoas criticarem o romance entre Honoria e Marcus, falando que foi rápido e do nada perceberam que estavam apaixonados, mas discordo totalmente. Pra mim eles já tinham se apaixonada anos antes, e só nas circunstâncias que foram colocados é que se deram conta. Prova disso é a forma como um trata o outro, com toda liberdade de se tocarem e dizer o que estão em suas mentes sem reservas, eles já agiam como um casal muito antes de perceberem o sentimento, e até pra eles fez todo sentido estarem juntos. Amei e foi apaixonante vê-los se darem conta de algo que basicamente todos que os conheciam já sabiam.

"- Estava pensando que este momento é simplesmente o paraíso.
Ele ficou em silêncio por um instante, depois sussurrou, tão baixo que Honoria não teve certeza se ouvira direito:
- O paraíso não poderia se comparar a este momento."

Mesmo amando com todo o meu ser livros físicos, minha ansiedade foi maior e adquire os volumes em e-book, e me surpreendi baste por ter gostado tanto de ler em formato digital. Sempre se fala de como é o trabalho nos livros impressões, mas poucos destacam os digitais. Adorei a experiência e a comodidade de poder aumentar e diminuir a letra, escolher ler em modo paisagem ou retrato, mudar a fonte para minha preferência, e claro, não posso deixar de destacar que a revisão do exemplar está fantástica. Também gostei da escolha de capa do livro, e foi de um sutileza maravilhosa levarem em conta a escolha da cor tendo relação com algo que acontece na estória. Pelo menos pra mim fez todo sentido e ganhou um pontinho no quesito qualidade.


Dividido em prólogo, 23 capítulos e um epílogo, Simplesmente o paraíso é um livro que vai além do romance, apesar de ser sim o foco principal da estória. Vemos relações familiares fortes, amor, preocupação com o próximo sem querer nada em troca e cumpricidade. Honoria e Marcus me conquistaram e de todos os livros que já li da rainha Quinn, esse é o meu favorito. Recomendo a leitura para todos que amem as estórias da autora, e até mesmo para aqueles que nunca leram nada dela, essa é uma ótima forma de começar.

13 comentários:

  1. Eu também li esse livro há pouco tempo e fiquei apaixonada, mais uma vez, pela história criada pela Julia. Mais uma vez a autora sabe como apresentar o romance, além de outras relações importantes na trama. Suas impressões refletem bem as minhas próprias.. adorei!
    Beijos, F

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem??

    Acredita que eu não gostei tanto da primeira experiencia que eu tive com a Julia? Comecei com O Duque e eu, mas acho que eu não estava no meu momento "romances" haha
    Eu achei linda a capa dos novos livros (e aquele box???????? ♥) quem sabe não dou uma nova chance... Gostei dessa pegada com um foco grande em relações familiares também

    XOXO
    umnovo-roteiro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Olá ! eu amei a série anterior da Julia. E estou meio depre, por ainda não poder ter comprado este quarteto. Pois sei que é maravilhoso. Quero, quero muito esta coleção. Adorei a resenha bjs

    ResponderExcluir
  4. Oie! Tudo bem?

    Eu AMEI DEMAIS a leitura desse livro e concordo com você sobre eles já estarem apaixonados há muito tempo atrás, mas só naquelas circunstancias é que se deram conta! Não vejo a hora de realizar a leitura do terceiro e quarto volume! Espero que as histórias sejam tão boas quanto essa!

    Bjss

    ResponderExcluir
  5. Ótima postagem! Parabéns!
    Abraços, Guto.
    www.floraliteraria.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Oie
    como sempre, romances de época não são meu forte mas mesmo assim parece ser uma boa leitura pelo enredo interessante e romântico e depois de tantos elogios é impossível não bater uma curiosidade

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Oi Stéfani, tudo bem?
    Acredita que até hoje não li a série Os Bridgertons da Julia Quinn? Aliás, não tive a oportunidade de ler nenhuma obra da autora, infelizmente.. e preciso admitir que ainda assim, fiquei muito curiosa em conferir essa série nova que a Arqueiro lançou. Adorei a sua resenha, a protagonista me parece super incrível, pois além de pensar nos outros antes de si mesma, é honrada, corajosa e protetora. E achei legal você ter tido uma perspectiva diferente sobre o relacionamento amoroso. Espero ter a mesma impressão quando for ler! :)

    Beijos! ♥

    ResponderExcluir
  9. Oiee!
    Nunca li romances de época, confesso que tenho um preconceitozinho sem conhecer. Mas porque os enredos nunca me interessam, sempre parecem mais do mesmo, e um pouco dramáticos demais para o meu gosto.
    Porém, essa premissa me agradou um pouco mais. Acho que me identifiquei um pouco com a protagonista, devido às suas relações familiares, proximidade com as primas, e à importância que sua família tem para ela.
    Quem sabe um dia eu me aventure nessa série? rs
    Um beijo!

    www.asmeninasqueleemlivros.com

    ResponderExcluir
  10. Oie, stef, bom saber que os livros tem sido tão bons quanto os bridgerton. Tenho curiosidade em conhecer essa família, apesar do meu tédio com os romances de época ultimamente. Gostei de saber que a personagem de Honoria foi bem construída, e ela passar toda essa tradição familiar dos concertos para nós. Está na lista. Sei que não lerei agora mas espero fazer no futuro.

    ResponderExcluir
  11. Não vejo a hora de conhecer melhor essa série, mas ainda estou totalmente envolvida com a outra família, e achei melhor terminar primeiro de ler a série dos Bridgertons para começar essa, mas posso destacar que já estou amando Honoria com sua força, determinação e altruísmo. Espero me encantar.
    Bjim!
    Tammy

    ResponderExcluir
  12. Oi Stef!
    "Julia Quinn é a rainha dos romances de época", com certeza assino embaixo hahahah logo que vi o lançamento do quarteto já estava louca pra me aventurar em outra série da autora, saber que você amou só me deixa ainda mais empolgada <3
    Beijos,

    Luana

    ResponderExcluir
  13. Oi Stefani

    Nunca li nada da Julia Quinn e fiquei bem curiosa. Também estou amanado essa experiencia de leitura digital. O que acho mais incrível é que por ser leve e prático, eu consigo ler em qualquer lugar, até andando na rua. E acredite, eu faço isso!

    Beijos e parabéns pela resenha!!!
    http://floraliteraria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir